Guia Completo: Tire Suas Dúvidas Sobre Financiamento De Imóveis

2

Depois de anos ajuntando um dinheirinho, finalmente conseguiu um montante razoável para dar uma entrada em uma casa ou apartamento. Mas assim como a maioria dos brasileiros terá que recorrer ao um financiamento de imóveis para quitar o valor restante.

E é nessa hora da escolha de um financiamento de imóveis que pode dar aquele aperto no peito devido ao receio de fechar um contrato, de longos anos, com dívidas maiores do que as previstas ou por simplesmente não ter o crédito aprovado.

Nesse artigo vamos tentar esclarecer as principais questões envolvendo o tema financiamento de imóveis.

Financiamento de imóveis: Como funciona?

Ao aprovar o crédito para o financiamento do imóvel, a rede bancária irá cobrir a dívida junto ao antigo proprietário e irá cobrar esse investimento do financiado (você) de forma parcelada. O prazo dessas parcelas pode chegar até 35 anos.

Talvez possa pensar: qual seria a diferença de viver de aluguel?

Primeiro que estará fazendo um investimento próprio e segundo, caso enfrente dificuldades para quitar as parcelas, poderá vender o imóvel, em financiamento, e recuperar parte do investimento, diferente do que ocorre no sistema de aluguel cujo único caminho possível é o despejo (ir pro olho da rua).

Financiamento de imóveis: procedimento

Você pode solicitar a aprovação de crédito para o financiamento do imóvel após a escolha da propriedade a ser adquirida ou antes mesmo de escolher o local ideal.

Em todo caso, você terá que entregar os documentos solicitados pela financiadora, normalmente instituições bancárias, que fará uma análise considerando se os seus rendimentos poderão assegurar o pagamento das parcelas do financiamento (parcela que não poderá exceder 30% dos seus ganhos), se o seu nome consta registrado nos serviços de proteção ao crédito (ou seja, verificar se o seu nome está limpo na praça) e se tem a idade mínima exigida por lei (18 anos).

Comprador e vendedor deverão registrar em cartório a concretização do financiamento do imóvel e a alteração do nome do proprietário. Nessa parte, muita gente é pega de surpresa ao saber que terá que arcar com as despesas desse registro e pagar o Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), que corresponde a 2% do valor da propriedade. Portanto vá preparado para abrir um pouco mais a mão.

Financiamento de imóveis: Documentação

Segue lista de documentos necessários para a aprovação de crédito de financiamento de imóveis.

  • RG e CPF originais e cópia
  • Certidão de casamento ou união estável
  • Comprovante de endereço
  • Comprovante de renda.
  • Certidão conjunta negativa de débitos relativos a tributos Federais e à Dívida Ativa da União
  • Cópia do CTPS, extrato de cada conta do FGTS e autorização para movimentação de conta vinculada junto ao FGTS, para quem financiar com os recursos do FGTS
  • Certidão negativa de propriedade sobre bens imóvel, exigido em financiamentos com o FGTS ou pela Minha Casa, Minha vida.

Agora documentação do imóvel depois do crédito aprovado:

  • Título de propriedade com o respectivo registro
  • Certidão dominial vintenária
  • Certidão negativa de ônus reais
  • Certidão negativa do IPTU

Financiamento de imóveis: Juros

Evidente que as financiadoras de imóveis não fazem o financiamento por caridade. Elas querem lucrar e a o lucro delas vem por meio dos juros acrescidos nos valores das parcelas. A taxa varia de instituição para instituição, por isso é interessante fazer simulações de financiamento que as próprias redes bancárias deixam a disposição em seus sites.

A política de juros se baseia em 2 modelos: pré-fixado e pós fixado.

Alguns bancos trabalham com as duas opções e deixam o cliente decidir o que lhe parece melhor, mas outras trabalham apenas com um dos modelos.

Mas o que cada um significa?

A taxação de juros pré-fixado determina o percentual de juros a ser cobrado ao longo de um período, sujeita a reajustes a cada fim de ciclo estipulado no contrato. Ou seja, durante esse período você tem noção exata do valor final a ser cobrado em cada parcela.

Já o pós-fixado não trabalha com porcentuais fixos, ele se baseia em índices econômicos, como a inflação, para determinar os juros a ser cobrado em cada mês, que pode ficar restrito a taxa mínima ou uma significativamente maior.

Não é a opção mais indicada em tempos de instabilidade econômica.

Conclusão

O financiamento de imóveis é uma prática comercial em que a instituição bancária quita o valor do imóvel a ser financiado e recupera o investimento, com margem de lucro, por meio de parcelas, acrescidas de juros, a ser paga pelo financiado.

Para a aprovação do crédito junto a financeira é preciso levar documentação pessoal e comprovante de renda. Bancos trabalham com sistemas de juros pré-fixado e pós-fixado, sendo o primeiro com taxas fixas mensais e o segundo com taxas sujeitas a variação conforme a estabilidade econômica.

Você também vai gostar de ler Mais artigos do autor

2 Comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.